A Ordem dos Advogados do Maranhão publicou em seu site, uma nota de repudio contra o filme de especial de natal do Porta dos Fundos. O que foi chamado de "Tentativa frustrada de fazer humor", tem tido uma repercussão negativa diante da maior parcela da população, o canal trata de uma data importante e da fé cristã, com zombaria. 
Os idealizadores do canal, tem abusado do que eles chamam de liberdade de expressão, que na verdade tem sido o escape usado para todas as acusações de desrespeito ao sagrado, ferindo inclusive a constituição. É triste ver que um grupo de intolerantes zombam descaradamente e publicamente da fé de 100 milhões de brasileiros e ficam impunes. É de se envergonhar de uma empresa como a Netflix, que foi recebida de braços abertos pelos brasileiros, sendo muitos deles evangélicos, não ter o minimo de respeito e incentivar tamanha intolerância, preconceito e desrespeito como este. Ainda mais para uma empresa que "prega" a inclusão, que pelo que vemos, aparenta ser uma inclusão apenas de ideologias próprias. O que leva grandes empresas a lutarem contra intolerância contrarias a grupos como o LGBT, e apoiarem intolerância religiosa? 

Diversos órgãos, políticos, igrejas já se posicionaram contra e inclusive diversas petições foram feitas, alcançando mais de 1 milhão de assinaturas de pessoas descontentes com o filme. Abaixo leia na integra a nota da OAB do Maranhão. Ou no link OAB

NOTA DE REPÚDIO


A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Maranhão, vem, por meio desta, repudiar, de forma veemente, a afronta à Fé cristã praticada pelo grupo Porta dos Fundos em seu filme “Especial de Natal Porta dos Fundos 2019: A Primeira Tentação de Cristo”.

Em uma tentativa frustrada de praticar humor, o referido grupo escarnece importantes ícones sagrados do cristianismo e ridiculariza passagens bíblicas, em uma total afronta aos mais de 100 milhões de cristãos brasileiros.

Em seu artigo 5º, inciso VI, a Constituição Brasileira, deixa bem claro a proteção e respeito ao Sagrado. A liberdade de opinião e de expressão, também garantida pela Constituição, tem caráter relativo, podendo ser exercido tão somente dentro dos limites impostos pelo ordenamento jurídico, de maneira que não haja o desrespeito e a fomentação de aversões ou agressões a grupos religiosos, caso contrário implica na tipificação de crime (Lei 9.459, de 1997 e, artigos 140, 208 do CP).

É inadmissível que pessoas intolerantes, ou sem FÉ, agridam qualquer outra, sustentadas apenas por sua total ignorância e falta de compreensão básica sobre o que é respeito à religião alheia, precisando valer-se de falso “humor” para transpor os limites da lei.

Assim, a OAB Maranhão reitera seu repúdio ao grupo Porta dos Fundos bem como conclama as autoridades competentes a tomarem as devidas providências que o caso requer, tendo em vista que o humor não pode jamais ser usado como instrumento de fomento de intolerância religiosa.

São Luís (MA), 13 de dezembro de 2019.



Matéria de Adailton Junior