Imagens do Google

No sul do Maranhão, uma cidade com apenas 5.000 habitantes tem características que são explicadas em seu próprio nome. São Pedro dos Crentes tem uma das maiores proporções de evangélicos no país.

O último Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2010 aponta 51% de habitantes evangélicos, Os moradores locais dizem que os evangélicos são pelo menos 70% da população.

Em suas poucas ruas, São Pedro dos Crentes tem dez igrejas evangélicas, estabelecimentos comerciais com passagens bíblicas pintadas na parede e apenas três botecos atendendo à minoria de “desviados”. A constatação foi feita por Fábio Zanini, autor do blog Saída pela Direita, da Folha de S. Paulo.

Outra característica é seu posicionamento político de direita, em um estado majoritariamente de esquerda. Em São Pedro dos Crentes, Jair Bolsonaro (PSL) teria sido eleito no primeiro turno, com 50,93% dos votos. No segundo turno, o número foi ainda maior: 57,5% dos votos válidos.

Flávio Dino (PCdoB), que foi reeleito no primeiro turno com quase 60% dos votos, teve só 14% de apoio na cidade.

“A sociedade aqui não aceita muito as modernidades”, disse o prefeito, Lahésio Rodrigues.
E entre as “modernidades” estão o aborto, o casamento gay e a ideologia de gênero nas escolas.

A fé da cidade é explicada em sua origem. Na década de 1940, a fazenda São Pedro, de propriedade da igreja Assembleia de Deus, foi dividida em lotes que foram doados para famílias evangélicas que vieram de fora, dando origem a uma vila pertencente à cidade de Estreito (MA). Em 1994, houve a emancipação e São Pedro dos Crentes se tornou município.
“A igreja normalmente surge da cidade, aqui a cidade surgiu da igreja”, contou o pastor Manoel Lima de Souza, titular da maior igreja do município.

Para ele, no entanto, pregar para uma cidade de convertidos é um desafio. “Aqui as pessoas conhecem a Bíblia, inclusive crianças, que vão à escola dominical aprender sobre ela. Tenho que me preparar bem para falar com todos”, afirmou.

Entre as ramificações da Assembleia de Deus representadas na cidade, estão Madureira, Convenção Geral, Seta, Guará e Comadesma, que é um ramo local. Há ainda uma única Igreja Católica no município.

“Quando isso aqui surgiu, crente era besta-fera”, disse Pedro Damasceno, um lavrador aposentado de 73 anos, que chegou criança ao povoado. “Hoje, é uma cidade abençoada por Deus”.



É uma cidade relativamente pobre, mas com ruas limpas e asfaltadas, boa estrutura de saúde e um comércio movimentado. A base da economia é a agricultura familiar.

Não há delegacia de polícia, apenas um destacamento da PM. Ainda assim, episódios de violência são praticamente inexistentes. Para o soldado Wellington, o alto índice de evangélicos contribui para a cidade ser tão pacífica. “Aqui dá um certo tédio. A gente sai pilhado da academia de polícia, vir pra cá é meio frustrante. Não acontece nada”, afirma.

Anualmente a IEAD (Igreja Evangélica Assembleia de Deus) realiza um grande Congresso Evangélico, visando a pregação do evangelho e a adoração ao nome do Senhor, onde são três dias de festa, sendo um dos maiores Congresso da Região, e com isso aumenta o turismo de negocio na cidade. No início do século XX havia um pequeno povoado as margens do Rio Farinha e Riacho Santa Rosa, mas devido às doenças (originadas da grande quantidade de mosquitos provenientes da mata que ali havia) que se tornavam constantes nas crianças e as mesmas não resistiam, os habitantes começaram a mudar-se para outras terras e o dono chamado de Eliziário de Castro, vendeu as terras para Antonio Libano, e mudou se também.

Na década de 40 fundou-se uma Igreja Evangélica Batista no que sobrara do povoado de São Pedro, alguns anos mais tarde apareceu pregando sobre o pentecostes o missionário João Jonas, neste momento a irmã Terezinha e sua mãe novamente se converteram a nova doutrina e neste momento as pessoas que ainda eram católicas na terra de São Pedro se converteram e passaram a congregar na Assembleia de Deus.

O missionário João Jonas com outros irmãos também pregavam na região do Tocantins e no Piauí, e os irmãos que iam se convertendo ao Evangelho eram trazidos pelo Missionário para morar em São Pedro, e recebiam a doação de terras feita pela Igreja para morarem e tirar os seus sustentos, muitos irmãos do Piauí Pernambuco e outros Estados Nordestino também fizeram parte desse êxodo, fundando um povoado inteiramente de crentes, fazendo que a terra de São Pedro fosse conhecida como (São Pedro dos Crentes).