Durante um almoço entre o presidente Jair Bolsonaro e pastores nesta quinta-feira (11), no Rio de Janeiro, o pastor norte-americano John Hagee falou sobre o cumprimento das profecias bíblicas sobre Israel.

E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. Gn 12.3

O encontro com cerca de 100 pastores das principais denominações evangélicas do país também contou com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e o governador do Rio, Wilson Witzel.

De acordo com Hagee, pastor sênior da Cornerstone Church e fundador da organização Cristãos Unidos por Israel, esta foi uma reunião “orquestrada pelas mãos de Deus”.
Hagee explicou que Deus mede o tempo em estações de 50 anos, conhecidas como Jubileu, ano que é descrito em Levíticos 25:10. “O ano de jubileu é um ano onde Deus derrama bênçãos sobre a nação de Israel”, esclareceu.
Em 1917, Londres expressou por meio de seu ministro das Relações Exteriores, Arthur James Balfour, que era a favor do estabelecimento de “um lar nacional judeu”. Cinquenta anos depois, em 1967, houve a Guerra dos Seis Dias, na qual Jerusalém foi anexada a seu território. Cinquenta anos depois, em 2017, Trump reconheceu Jerusalém como capital de Israel e anunciou a transferência da embaixada americana de Tel Aviv para a cidade.
O pastor incentivou os pastores brasileiros a apoiarem Israel de forma prática e apontou Israel como um fator de unidade entre os cristãos. O apoio a Israel pode “trazer bênçãos sobrenaturais, unidade espiritual e prosperidade para o Brasil”. Ele também disse que o “Brasil tem a chave para a América do Sul”.
Durante discurso no evento, Bolsonaro disse que a viagem a Israel tocou sua alma e reafirmou seu compromisso de transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém. Seu primeiro passo foi anunciar a criação de um escritório de negócios na cidade santa.  “Queremos cumprir esse compromisso, mas, como um bom casamento, tem que namorar, ficar noivo”, explicou.
O pastor norte-americano John Hagee, fundador da organização Cristãos Unidos por Israel, disse que os cristãos têm uma dívida com os judeus e que “Deus tem abençoado Trump” por ter reconhecido Jerusalém como capital de Israel. O pastor pediu que os evangélicos brasileiros também se movam nesta direção.

O presidente do STF, Dias Toffoli, reconheceu o trabalho que os evangélicos têm feito no país, destacando que os líderes religiosos chegam onde o Estado não está.

“Após momentos tão difíceis nos últimos quatro, cinco anos, com crise econômica agudíssima, com decréscimo do PIB, afetando principalmente as periferias, lá onde até o Estado não está muitas vezes, está uma igreja evangélica”, afirmou. “As senhoras e senhores atuam naqueles lugares que seguram muitas vezes a possibilidade do desespero humano chegar a sua última consequência”.