Faleceu nesta quarta-feira (21) o evangelista mundialmente conhecido Billy Graham. Ele tinha 99 anos, e morreu em sua casa em Montreat, na Carolina do Norte (EUA). A notícia foi dada por Jeremy Blume, porta-voz da Associação Evangelística Billy Graham.
Nos últimos anos ele vinham lutando contra o mal de Parkinson e desde 2005 não realizava mais as cruzadas públicas que o tornaram famoso. Em 2013 transmitiu os últimos programas televisivos, na campanha “Minha Esperança”, criada pelo seu ministério.

O Globo o chamou de “O influente pastor evangélico”  William Franklin Graham Jr., conhecido como Billy Graham, Ele era apontado como o mais importante pregador do mundo, sendo conselheiro espiritual de vários presidentes americanos e espalhando o evangelho desde a pequena cidade de Montreat, na Carolina do Norte, onde vivia, à comunista Coreia do Norte.
Pela sua grande comunhão com Deus, Graham conseguiu atrair as massas, através de seus programas de rádio e televisão. Ele propagava sua mensagem também por linhas telefônicas e satélites.

Billy Graham em foto de 1961 com o presidente John F. Kennedy (Foto: Associated Press)

Cerca de 77 milhões de pessoas o assistiram pessoalmente e outras 215 milhões viram seus discursos pela TV ou por links via satélite, disse um porta-voz.

O reverendo se tornou capelão não oficial da Casa Branca para todos os presidentes desde Harry Truman (1945-1953), além de ter se encontrado com diversos líderes mundiais.
"Não havia ninguém como ele", afirmou o presidente Donald Trump em seu Twitter depois que a morte dele foi noticiada. "Ele fará falta aos cristãos e a todas as religiões. Um homem muito especial", escreveu



Mas apesar de sua proximidade com o poder, Graham nunca se candidatou a um cargo político. O seu envolvimento em questões políticas, aliás, foi concentrado na primeira metade de sua longa carreira, quando expressava publicamente seus ideais anticomunistas. Mesmo assim, foi o primeiro entre proeminentes religiosos a superar a Cortina de Ferro, com viagens para União Soviética, China, Coreia do Norte e Alemanha Oriental. Na época, foi criticado por liberais, que o acusaram de dar credibilidade a governos totalitários, e por conservadores, que o criticaram por ir a países descrentes em Deus. Para Graham, as visitas eram apenas oportunidades para ganhar almas para Jesus Cristo. Agora foi promovido aos Céus para estar ao lado da maior e mais importante autoridade do mundo!